quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

RETROSPECTIVA 2013 - PARTE 1

Meus amigos e minhas amigas, esse foi um ano de grandes lutas, mas também de grandes avanços para a nossa querida Campo Limpo Paulista.
Pode até não parecer, mas na política tivemos um importante "ajustamento" nesse ano de 2013, deixando claro quem é situação e quem é oposição.
Porém, todavia e contudo, muitos oposicionistas deixaram claro também que para eles qualquer coisa é válida para tentar desestabilizar a administração.
Alguns posaram de "mártires-santos-do-pau-oco", outros apenas foram demagogos, alguns deixaram clara sua revolta em perder seus cargos e uns poucos ainda utilizaram redes sociais para se unir e assim tentar sair de suas irrelevâncias.
Sinceramente, não consegui identificar durante o ano todo, uma única oposição propositiva, que apresentasse problemas e alternativas para sua solução ou ao menos que empunhasse argumentos consistentes e sensatos para cumprir suas "missões". Só vislumbrei espetáculos circenses patéticos que não receberam do povo o aval para dar continuidade aos processos, pois a própria estratégia deles deixava claro que suas intenções nunca foram o bem comum e o desenvolvimento da cidade e suas instituições, na verdade só queriam ocupar o lugar de seus alvos dos ataques ou ter de volta seus cargos e empregos que se foram junto com a antiga administração.
O que antes me deixava preocupado e hoje me faz rir, foram as inúmeras tentativas de acharque e difamação, cujos resultados pífios se esvaíram pela ausência de fundamentos e anuência do povo, pois sua plateia foi restrita a amigos virtuais adicionados em grupinhos de internet. 
A "cara de pau" e falta de vergonha nela desses vulgo opositores, tornaram constrangedoras as tentativas de enganar o povo com bandeiras de luta que camuflavam intenções tão claras como a água de querer para si o que o esse mesmo povo deu a outros.
A verdade é que essas figuras comem sardinha e arrotam caviar. Bradam motes de transparência e lisura para seus amigos em discursos de botequim, acreditando que alguém acreditará em suas palavras, mas não argumentam consistentemente, pelo simples fato de que não existe com o quê argumentar e assim caminham firme rumo ao ostracismo, pois logo vem eleições e todos saberão que podemos até não saber em quem votar, mas certamente saberemos que nesses opositores, não.