terça-feira, 28 de maio de 2013

POVO, PODER E PROBLEMAS

Como separar o povo do governo? Como colocar em um pedestal um representante selecionado por nossa maioria,estando certa ou não, onde cedemos-lhe provisoriamente o poder do "cheque em branco" e a honra de nossa representação?
É impossível separa o poder que emana do povo desse mesmo povo que o gera. Que isso fique claro, mas também é quase impossível, ou pouco provável, que um governante consiga absorver e processar todos os problemas individuais de todos os cidadãos, mesmo por que interesses pessoais muitas vezes conflitam-se com os coletivos.
Cabe-lhe, portanto, ações massivas,que contemplem o maior número de pessoas possível, reservando-se o direito de deliberar sobre a relevância ou não de certos pedidos. Será que todos são justos? 
Está aí o poder julgador daquele de quem espera-se a solução do problema e cabe a nós o discernimento e a clareza de que nem sempre nosso problema é o maior problema do povo.
Resumindo, governar é resolver problemas, mas antes filtra-los, peneira-los, criar um sistema de gestão onde os mais urgentes e abrangentes serão resolvidos primeiro, afinal quanto mais gente beneficiada melhor para a sociedade. 
E aliás, as eleições logo vêm.