segunda-feira, 30 de junho de 2014

O INIMIGO AO LADO

Meus amigos e minhas amigas, hoje o grande x da questão diz respeito à diferença abismal que existe entre lutar pelos seus direitos de trabalhador e cuspir no prato que come.
Dentro de uma estrutura administrativa existem servidores, concursados ou não, que lutam dignamente por melhorias nas condições de trabalho, nos salários e que reivindicam a criação de um plano de carreira que lhes dê segurança e perspectivas de crescimento profissional. Porém, há outros que não servem sequer para lhes engraxar os sapatos. São aqueles servidores que pensam apenas em praticar o “leva e trás”, fazer fofocas e abastecer outros imbecis com informações inverídicas.
Esses são os traíras, que vivem ouvindo conversas por trás de portas, que andarilham furtivamente por entre os setores no afã incansável de captar algo que possa soar como uma bomba que fará a “casa cair”.
O mais absurdo disso tudo é que a grande maioria dessas cobras ocupam cargos de “confiança”, ou seja, só estão lá por que desfrutam da confiança (sic!) de seus superiores, o que reitera e evidencia ainda mais sua “trairagem”.
Essa é a escória do cenário político, eles são os ratos que alimentam os porcos com suas entranhas fétidas e mudam de postura de acordo com quem estiver melhor “na cena” política.
Mas, esta falta de personalidade e de posicionamento manterá essa laia de traíras no lodo da história comendo os restos e migalhas que escorrerão por entre os dedos de seus provedores.

Nós sempre colhemos o que plantamos. Plante traição e colherá decepção.