sexta-feira, 29 de agosto de 2014

PROVA, A PALAVRA QUE APAVORA

Meus amigos e minhas amigas, como já venho falando há tempos, quando se diz algo, principalmente, em redes sociais, deve-se ter provas do que é dito.
Sair por aí dizendo um monte de ofensas, fazendo acusações e atirando a todos os lados sem antes se municiar de provas irrefutáveis é, além de uma demonstração de mau-caratismo, uma atitude de imbecilidade ímpar.
É muito fácil ficar acusando as pessoas, fazendo insinuações maldosas sem ter algo que sustente de forma inquestionável. Mas o pior é acreditar que isso vai ficar “por assim mesmo”.
Por isso que eu digo e procuro instruir aos amigos e amigas que são alvos de ataques de oposicionistas, em especial nas redes sociais, para que quando essas coisas acontecerem é só pedir que eles apresentem provas das acusações que proferem.
Ao dizer essa palavrinha mágica (prova) eles irão fugir como vampiro foge do alho e da água benta, é impressionante, comprovem!
Mas, então me surge o x dessa questão, será que tem como dar alguma credibilidade à pessoas que falam, falam, falam, mas nunca provam nada do que dizem? É possível levar á sério pessoas que só sabem atacar, xingar e caluniar, mesmo sem ter nada que possa sustentar o que dizem de forma inquestionável? Como respeitar pessoas que mentem e manipulam informações, que usam a boa fé e a indignação natural de pessoas de bem e que insistem em encenar serem seres ilibados e imaculados na luta pelo bem comum, mas que na verdade só querem os cargos acordados com pretendentes ao cargo máximo?
Pois é amigos e amigas, como já disse em outras oportunidades, a vantagem de estar do lado da verdade é ter a segurança e a tranquilidade de que nunca terá aquele pavor constrangedor que aparece quando as máscaras caem e as maquilagens são lavadas da cara do mentiroso.