quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

BURRO É QUEM ACHA QUE O POVO É BURRO


Meus amigos e minhas amigas, mais uma vez terei que falar de um assunto chato, mas, que me deixa cada vez mais intrigado.
Será que nós que vivemos, e gostamos de viver, em Campo Limpo Paulista, que todos os dias utilizamos o transporte público, que precisamos dos serviços prestados pela prefeitura, que respeitamos a democracia, a opinião e a vontade da maioria e que não passamos o dia todo querendo “caçar pelo em ovo” ou dar murro na ponta da faca do óbvio, pelo simples fato de termos mais o que fazer, será que nós, realmente conseguiremos algum dia, entender o porquê algumas pessoas ainda insistem em querer fazer com que acreditemos que tudo está ruim?
Será que eu e você, meu amigo e minha amiga, estamos tão errados pelo simples fato de querermos o melhor para a nossa cidade e lutarmos para que isso aconteça, simplesmente fazendo a nossa parte?
Será que essas pessoas que torcem pelo pior são os donos da razão e acionistas majoritários da verdade ao ponto de ignorar a nossa opinião? Será?
O X dessa questão é que ninguém, que tenha que acordar cedo e ir trabalhar iriam dedicar tanto tempo de suas corridas vidas para ficar postando falsas denúncias, sem prova alguma, simplesmente por querer “o bem do povo”. Ninguém que não tivesse grandes interesses pessoais teria paciência para ficar monitorando tudo o que é feito pela administração para criticar e indiretamente chamar o povo de burro por ter colocado o atual prefeito lá.
Ninguém que tenha o mínimo de compromisso com a verdade iria ficar vinte e quatro horas por dia espalhando boatos pela rádio peão ou outras mídias mais contemporâneas e muito menos viria nisso um investimento para o seu próprio futuro.
Resumindo, ninguém que viva nesse mundo e não se aliena pela ganância de dinheiro e poder, perderia tanto tempo tentando destruir um governo se não tivesse interesses claros de um dia estar lá ou ocupar a cadeira que hoje desdenha.
Um exemplo disso aconteceu nessa semana, quando um fato me causou aquele sentimento inexplicável de vergonha alheia. Alguns “opositores” se reuniram para protestar contra o governo municipal, até aí tudo bem, faz parte da liberdade de expressão e da democracia, mas, o meu constrangimento foi pela falta de uma pauta séria que pudesse esclarecer os reais motivos do ato, pelo número pífio de participantes e por ser a maioria deles antigos conhecidos, como ex-funcionários da antiga administração que perderam seus fg´s (função gratificada) e suas regalias, presidentes de partidos que não fazem parte do governo, políticos excluídos do projeto de reconstrução por falácias e até ameaças de morte ao prefeito José Roberto, pessoas que queriam cargos, mas não tiveram e por algumas outras pessoas que nem sabiam ao certo o quê reivindicavam.
Isso é um reflexo da falta de conteúdo de suas “bandeiras de luta”, da falta de objetivos claros de reconstruir e melhorar ainda mais a nossa cidade, da falta de apoio e anuência da população e por já estar explícito que muitos dos que ali estavam irão pedir nosso voto em 2016. Ou seja, eles não “lutavam por nós”, eles lutam por eles, pois, enquanto eles armavam esse cirquinho, o prefeito e sua equipe lutavam e venciam a batalha contra o aumento irregular das passagens de ônibus.
Agora eu pergunto, quem você prefere ouvir, os que fazem carnaval para se promover ou aqueles que lutam de verdade para melhorar as nossas vidas? E quem são os burros afinal, nós, cidadãos que queremos e fazemos o melhor para todos ou eles que fazem apenas o que é melhor para eles?