segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

CHEGA DE PIADA VELHA!

Meus amigos e minhas amigas, a partir dessa semana não vou mais perder o meu tempo e o de vocês falando de “pessoas” que nada acrescentam às nossas vidas e à vida da nossa cidade.
Mas, antes devo dizer quais são as razões que me levaram a tomar essa decisão, antes que digam que desisti da minha luta em livrar Campo Limpo Paulista do “olho gordo”, da ira e da ganância desse amontoado de ratos pilantras que insistem em querer os farelos do que já os alimentou.
A primeira razão é que eu acredito que venho sendo "chatamente" repetitivo, entretanto, a congruência dos fatos, boatos e cacarejos sempre me trazem de volta à mesma pauta. 
Os textos, publicados em grupos de internet, sempre pelas mesmas histéricas caricaturas, deixam claro que sua postura, seu caráter e idiossincrasia estão atrelados ao montante de batatas aferido ao fim da guerra, pois como diria Quincas Borba: A paz é a destruição e a guerra a ressurreição! Para os derrotados de uma batalha o melhor é que a guerra prossiga, pois a paz significa a vitória de quem os venceu. Concluo então, que, para que as coisas caminhem, não é interessante fomentar o ódio dessas insignificantes galinhas que não conseguem botar um ovo que já não saia podre de suas ancas.
A segunda razão é que, por mais que tenha me esforçado, não consegui encontrar credibilidade mínima em interlocutores que fazem de sua platéia massa de manobra, pregando a candidez que não lhes encarapuça em momento algum. Pois, como levar a sério as palavras de pessoas que foram flagradas por colegas de trabalho praticando atos que, a vergonha alheia e o respeito pelos leitores, não me permitem descrever aqui? Pessoas que se passam por evangélicos santificados e marcados pela honra, mas que foram expulsos de igrejas por assediar jovens “irmãozinhos” conferindo-lhe a face mais emporcalhada da já porca pedofilia?
Como levar a sério pessoas que não conhecem a cidade a fundo, que exigem, com a arrogância dos ignorantes, que as contas públicas lhes sejam prestadas, mas não conseguem, sequer, manter suas contas pessoais em dia?
Como levar a sério pessoas que, concursadas como braçais, monitoras e outros cargos, que ocupavam funções diferentes e altamente gratificadas, mas, que por justiça e confiança tiveram que voltar a seus cargos de origem e hoje destilam seu ódio contra quem fez justiça?
Como levar a sério pessoas que têm o ócio como ofício e dedicam dias, noites e madrugadas a simplesmente mentir, manipular, atacar, ofender, xingar e caluniar aqueles que têm opiniões diferentes das suas?
Como levar a sério uma oposição virtual que não consegue reunir sequer quarenta pessoas para suas ações inconsistentes, nem mesmo oferecendo café de “graça”? Uma oposição que trabalha com “achismo”, jogando o verde para tentar colher maduro, que não mede conseqüências para alcançar seus objetivos?
Enfim, como levar a sério uma oposição que vê no prefeito um inimigo e não um adversário político? Uma oposição que tem como cerne de suas vidas toscas e mesquinhas arrancar o chefe do executivo de lá, sem passar pelo crivo rigoroso das urnas? Pessoas que vêem em nosso povo apenas uma ingênua ponte para o seu regozijo?
Realmente, não tem como levar a sério. 
Sempre ri do esperneamento digital deles, mas, para mim essa piada já cheira mofo e perdeu sua graça há tempos. Chega!